12/04/10

Simples olhar


Olhar que discursa
Em silêncio, rogando
Ao tempo que volte atrás
E a cegue de amor outra vez.
Grito de suplica ensurdecido
Das noites ardentes de paixão
Resgatando abraços
Bem rentes à pele
Olhar felino, provocador
Vibrante, livre e quente
Olhando fundo nos olhos
Dos braços de quem a prende
Há-de ficar viva e permanecer
De olhar fixo na estrada
Antes dos passos anunciarem
A outra parte do seu ser.
E os seus olhos nos dele
Repletos ao despertar da aurora
Corpos saciados com pujança
Unidos pelo olhar de outrora.
Não se cerram olhos esta noite
Invadem-se as mentes encantadas
Olhares cúmplices e penetrantes
Carícias de amor pela alvorada.
Basta o olhar feminino
Enigma que persiste eterno
Segredos e mistérios escondidos
Arremessados pela janela da alma.


Maria Escritos
© Todos os direitos reservados

Sem comentários:

Enviar um comentário