27/04/10

Encontro dos corpos


Olhar indiscreto no alto do meu seio
Penetrando o meu olhar
Vontade louca de beijar
Desejo libertino da minh’alma
Sou senhora na vaidade
No ser e no ter
Tua pele na minha pele
Escorrendo suor, nua e crua
Boca quente, Mãos fortes
Amarrando a minha anca
Enovelando as pernas numa só
Encaixe sublime do momento
Perfeito ballet de corpos
Cheiro doce de amar
Bocas ávidas, línguas atrevidas
Teu membro mais que essencial
Por entre as minhas pernas
Sinto o olhar pecaminoso
Seiva de prazer extraído
Até perder os sentidos
Ah! Doce perfume
Vindo do gozo irrompido
Fonte insaciável de prazer
Almas e corpos sedentos de querer


Maria Escritos
©Todos os direitos reservados

2 comentários:

  1. Muito belo este teu poema, carregado de sensualidade e de poesia que todos os momentos do amor na sua plenitude. Muitos parabéns, gostei muito.

    ResponderEliminar
  2. Minha amiga,
    Este é muito digno da sua antologia ....
    Uma maravilha de sensualidade e promessas de sonhos com sabores variados de frutos a escorrer de maduros...

    ResponderEliminar