02/10/09

Gotas aspergidas




Já não sei escrever poesia
Talhada em noites de lua cheia
Quando banhavas os meus sentidos
E os dispersavas na areia

Debaixo de olhares acesos
Ou das luzes que vêm do céu
Fico esculpindo carpidos
Ocultados por este meu véu

Deito gotas arroxeadas
Impregnadas de nostalgia
Aspergida nas montanhas
Onde viveu a alegria


Foto de Cristina Meneses Alves (todos os direitos reservados)
Poema de Maria Escritos

1 comentário:

  1. Atenção,muita atenção, mas montanhas continua a ver alegria enquanto a rosa lá estiver.A rosa pode ficar velhinha e morrer, mas o perfume banha todos os sentidos.

    ResponderEliminar