09/09/09

Corpo dos sentidos


Escorro-me em sentidos
Desfazendo-me em mil cores
Transporto existências mescladas
Numa correnteza suave
Que dá brilho ao cálice
Que me hospeda

Corro singela, nesta minha galhardia
Atada ao meu cativeiro
Atraindo tingiduras com o vento
Seduzindo pigmentos no meu leito
Que alaga as linhas do meu deslizar
Esfumando-me em ensejos de noites de luar

E quem de mim vier sorver, outra água não há-de querer

Foto e poema de Maria Escritos

Sem comentários:

Enviar um comentário