27/01/10

Raízes da minha alma


Corpo teu
Que se tatua na minha pele
Impaciente por ti
Coração meu que sente
Alma minha que estremece
Toque teu em meu alento
Unido ao teu veemente
Uma carícia de amor
Olhando teu corpo no meu
Indagando o que aconteceu
Minha alma lavada
Não se perca de ti
Cujas raízes carrego no peito
Em terra fértil extravaso
Bradando com sonoridade
Alma tua, que a minha floriste
Com estirpes tuas me cobriste
E juntos nos conduzimos à eternidade


Maria Escritos
© Todos os direitos reservados

Sem comentários:

Enviar um comentário