09/11/09

As minhas ultimas palavras

“Há um olhar suspenso na chama tremeluzente da escuridão do quarto, que trespassa o silêncio cerrado parado no ar. Voltam as lembranças dos problemas por resolver. E tantos que eles são. Sinto-me cansada e derrotada. A insatisfação ocupa agora a minha essência, que, pesadíssima luta para se arrastar e fugir. A minha cabeça anda ás voltas e o corpo batalha para se mater erguido. Custa-me raciocinar, todos os meus pensamentos se inclinam para o mesmo lado. Será talvez o fardo que agrilhoado a mim pende sempre para esse mesmo lado.
Eu quis ser livre, ser leve, quis ter um arco-íris presente e constante, mas as sombras teimam em tirar-me os sonhos que consigo construir. Deus deu-me um anjo, e nem a esse anjo eu consigo fazer feliz. Há um buraco negro esculpido no meu ser, uma mancha talhada com mestria pela mão de quem me deu a vida. Não aguento mais este peso que me sufoca, nem este ar que respiro e me queima as entranhas. Não aguento o bater deste coração que quase me perfura o peito, em constante sobressalto.
Não aguento ter de dizer “não” tantas vezes, nem consigo olhar nos olhos da minha filha e dizer que não lhe posso dar isto ou aquilo, por causa de outro alguém.
Estou cansada da família, estou cansada do trabalho, estou cansada da vida e estou farta de tudo. Já não consigo sofrer mais nem fazer sofrer por minha causa Já não posso com o mundo às costas. Sou um nada e um nada serei. Sou uma cobarde e uma cobarde serei. Sou uma fraca e uma fraca serei. Hoje já não sou nada, e tudo de nada serei.

Deixo algumas palavras escritas dirigidas a algumas pessoas:
À minha princesa, peço-lhe que me perdoe, mas eu não consigo olhar mais a carinha dela e ver as lágrimas a escorrer pela cara abaixo de todas as vezes que não consegui estar á altura das suas necessidades.
À minha mãe, agradeço por matar os filhos em vida.
Ao meu pai, peço-lhe que cuide da minha filha.
Ao meu amor, peço-lhe que acenda uma vela por mim que me ilumine o caminho do céu.

Faz-se luz nos mistérios que jazem latentes na força que se conserva escondida e albergada no meu Ser. Eu não já consigo andar aqui pois a luz enfraquece com o ataque das sombras que habitam em mim.


Paula Moreira / Maria Escritos

4 comentários:

  1. António Ramos Rosa

    Não posso adiar o amor para outro século
    não posso
    ainda que o grito sufoque na garganta
    ainda que o ódio estale e crepite e arda
    sob as montanhas cinzentas
    e montanhas cinzentas

    Não posso adiar este braço
    que é uma arma de dois gumes amor e ódio

    Não posso adiar
    ainda que a noite pese séculos sobre as costas
    e a aurora indecisa demore
    não posso adiar para outro século a minha vida
    nem o meu amor
    nem o meu grito de libertação

    Não posso adiar o coração.

    não posso esperar por enviar estas palavras ...1 bj

    ResponderEliminar
  2. Amiga Maria ou Paula como vejo aqui escrito,enfim este foi um texto triste já se sabe em que momento,mas isso é já passado,esquece esse susto,de facto ve-se que este texto é um grito de revolta mas as tuas palavras amiguita essas só vão ser daqui a muitos anos,agora muita força e que as palavras não te faltem nunca,até é bom deitares sempre tudo cá fora.
    Tenho a certeza que a tua princesinha percebe as tuas dificuldades de não lhe poderes dar isto ou aquilo quando ela quer,mas sabes o que é material não é o importante e de certeza que ela prefere muito mais o teu amor e carinho e os teus miminhos do que bens materiais.Vejo pelo teu texto que te faltou o amor e carinho que devias ter tido da mãe infelizmente e deve ser o que mais precisas mas isso tens a tua filhota que te deve dar muito e já sabes tens também os teus amigos com quem podes sempre contar.
    bjs

    ResponderEliminar
  3. Boa prosa. Triste carta de despedida.
    O importante é o que há dentro de nós ainda por viver.

    ResponderEliminar
  4. Texto lindo, espero e acredito que nao tenha sido o fim... Nao é facil...
    um bj

    ResponderEliminar