05/03/10

Psiquê


Altas estrelas de luz ardente
Que a terra prende em raios sensuais
Longos cabelos sedosos
Reflectem seus tons lascivos

Esvai-se a luz em langorosos cansaços
Enlevos sôfregos de languidez
Restituo das mãos o aroma aos nardos
Dou cor aos ciprestes com a boca

E a Luz da estrela que brilha em mim
Extenuada com o pairar da aurora
Confrontada apenas a contemplar
Ondas maduras nos teus cabelos ao luar

A noite em sombra e luz se consome
Aromas de fruta ou de lilás
Sobre uns olhos sonolentos
Pálpebras roxas que tombam com ternura

Ah, doces mãos amoráveis
Que a minha tristeza fechasses
E assim me embalassem piedosas
No chão que tu sovas me enterrassem


Maria Escritos
© Todos os direitos reservados

1 comentário: