10/03/10

Cântico de amor


Quando comecei a escavar na pedra, a tristeza subiu-me pelo peito atravessando o meu tronco como uma bola entalada numa tubagem, e despenhou-se dos meus olhos com vontade de sair. Vieram as lágrimas empurrando-se umas ás outras, como quem fura uma fila para sair em primeiro lugar.
As gotas duras tombando sobre a pedra que eu sustinha nas mãos, iam manchando a pedra escura, que eu via agora embaciada através do choro.
Há dias assim. Há dias em que a tristeza me assola e se apodera de mim. Tenho dias, demasiados dias, em que a distância faz eco num vazio que habita o meu ser. Há dias, em que eu sinto tanto a tua falta, que desespero por não te ver. A tua voz escutada ao telefone e tão desejada melodia aos meus ouvidos, já não consegue apaziguar esta guerra da tua ausência nem com trincheiras de palavras suaves preenchidas de amor. Há dias em que preciso tanto da tua sombra que me odeio por te querer tanto assim. E é à noite que esta melancolia colada à minha alma, me afunda num mar de lágrimas retraído dias a fio.
È o servir o jantar e ver o teu lugar na mesa substituído por um sms. È o levantar a mesa agarrada ao telefone a saber se jantaste bem. E o que vais fazer hoje á noite? Futebol? Ok amor, não há problema – finjo, distraindo a decepção com um sorriso. Então escondo-me, escavando pedras com os meus dedos, esculpindo lentamente um abismo nesta pedra sepulcral.
E quando mais logo me for deitar, sei que vou olhar para o teu lado da cama ansiando por te ver. Mas não. Apenas o frio do vazio da minha outra metade desabitada está lá para me acolher. E os teus olhos meu amor? Onde pousas o teu olhar quando te deitas a descansar? E os teus beijos remetidos sem endereço certo que não chegam a mim?
Esta será mais uma noite batalhando com o silêncio abafado, procurando sentir o teu abraço, as pernas entrelaçadas nas minhas e os teus lábios nos meus… E por isso eu choro um choro de criança magoada, por te amar tanto, por te querer tanto, e me deitar abraçada a um tanto de nada dorido com a tua ausência.
Faço-me embalar em sonhos que nos sonhos foram sonhados, mais de mil vezes devaneados, todos eles sobressaltados, ao ritmo da voz que baloiça nos meus ouvidos…

“me quedaré mirando el mar de tus ojos,
con mis lábios escribiendo besos en tu boca,
con tus manos bañandome al sereno
desnuda bajo la luna.
Y cuando la noche llegar al final,
com el pecho palpitando de gozo y alegría
te entregaré enardecida
mis cánticos de amor...”



Maria Escritos
© Todos os direitos reservados

Sem comentários:

Enviar um comentário