01/12/09

Instintos


Deixa-me sentir-te
No desnudar da madrugada
Com murmúrios em meu rosto
Por entre raios de sol
Roçando leve na minha pele

Deixa-me sentir-te
Num serpentear enfurecido
Das ondas desfalecendo à beira-mar
Entre pingos de espuma
Abraçados a meus pés

Deixa-me sentir-te
Nas gotas perfeitas de chuva
E no cheiro da terra acabada de regar
Desabrochando as pétalas
De sensíveis labirintos

Deixa-me sentir-te
Na magia que a noite conhece
Carregada de fascinantes instintos
Na voz turva e abafada
Do ofegar da respiração

Deixa-me sentir-te
Gravar meu corpo com suor teu
Semeando carícias em meu ventre
Como gotas de orvalho
Caindo no rosto pela manhã




Maria Escritos
© Todos os direitos reservados

Sem comentários:

Enviar um comentário